terça-feira, 16 de dezembro de 2014

"SEARA DOCE"

"SEARA DOCE"

Sonhos desfeitos feitos prisioneiros
Amarguradas mágoas que ceifam vidas
Mergulhos na escuridão que o vento levou
Em grãos de areia que repousam no silêncio
Vida coberta de esplendor da anunciada morte

Onde a alma renascia de humilde transparência
Vidas feitas de esperança, que correm de águas cristalinas
Num mundo que se transforma num novo amanhecer.
Seara verde pela planície, montanhas da nossa vida
Sementes caídas em terra fértil, regadas de amor!

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

"RECUSO-ME"

"RECUSO-ME"

Recuso-me a ter
A minha alma sedenta de ódio
Aceitar que sou uma flor no meio das silvas
Estar escondida entre sonhos
De sentir-me com as mãos acorrentadas
Tentar fechar os olhos a alegria e a felicidade
A de não me sentir amada.
E não amar tudo apaixonadamente
Viver a vida sem paixão como se nada se passasse
Sofrer de dor, de saudade
De magoa, de solidão
A morrer como uma cópia, afinal só existe uma eu.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

"SILÊNCIO"

"SILÊNCIO"

Do meu silêncio resta tão pouco.
Eu queria fazer e trazer-te uns poemas
Mas trago-te apenas
Apenas estas mãos vazias de quimeras
Não consigo ler, nem tão pouco escrever
Perdi as palavras, perdi o jeito de ler
Enquanto os meus olhos caminham
A minha alma dissolvia-se em lágrimas de sangue
Dentro do meu livro está a cinza das horas
Horas, horas cruas de palavras calmas
Firmes que caminham levemente.
Palavras tão minhas com sentimentos
De alguém para ninguém
Tento escrever com insistência
Estas letras tingidas de amor
Apenas os meus gritos
Ecoam silenciosamente dentro mim
Oprimindo os meus sonhos
E as minhas pobres esperanças
Queria prender o tempo
Mas ele foge e esvanece-se!

Isabel Morais Ribeiro Fonseca