domingo, 29 de junho de 2014

"SABOR DOS GESTOS"

 "SABOR DOS GESTOS"

Ao sabor dos teus gestos.
A minha alma é impaciente.
Com amor sem limites.
Doce que vê em sonhos.
Sorrateiros com o meu coração.
O teu cheiro ficou entranhado.
Entranhado na minha pele.
O teu sorriso.
Sabores da doçura dos teus beijos.
Vislumbra a tua alma.
Flutuando ao sabor.
Dos teus gestos
Carinhos, abraços
Olhares, ternuras.
Ao sabor dos teus gestos.
A minha alma respira amor.
Respira o teu corpo perfumado.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quinta-feira, 26 de junho de 2014

"TU ÉS UM RAIO"

"TU ÉS UM RAIO"

Amor..
Tu és como um raio.
Que clareia a escuridão.
Tu és como o sol.
Que espanta o meu coração.
Tu és a chuva.
Que sustenta a minha emoção.
És como as gotas de orvalho.
Que abranda a minha solidão.
Nos teu braços viajo.
Viajo em pensamento.
Neste mar imenso.
Mar intenso.
No teu corpo onde...
O sangue corre nas veias.
Faz-me bater forte o meu coração.
O teu perfume é como um aroma de uma rosa.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

terça-feira, 17 de junho de 2014

"LEIO-TE EM SILÊNCIO"

 "LEIO-TE EM SILÊNCIO"

Abraça-me como uma concha
Fresca da manhã
Entre os meus devaneios
Quero sentir
O vento que traz o aroma da tua pele
Despir-te com o orvalho da manhã
Entre o céu, os mares e ondas
Paixão feita em explosão
Devaneios de loucos medos
Veste o meu corpo de ti.
Sentido dos sentidos
Dos teus braços
Que desamarraram em mim ate a eternidade
Onde leio-te, leio-te e volto a ler
Sem cansar-me em silêncio.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quarta-feira, 11 de junho de 2014

"EXTRAVASOU O SONHO"

 "EXTRAVASOU O SONHO"

O meu sonho encheu a noite.
Extravasou para o dia, a minha noite,
Disfarçou as lágrimas dos meus olhos.
Onde enchem a minha vida, a minha alma
Entreguei-te pela manhã o meu sorriso.
Onde o meu sonho nunca morre.
Dentro do meu peito mora um grito.
Um pensamento que persegue-me.
Persegue-me no silencio, no silencio da noite
A água que desce daquela serra ou monte, é de uma nascente
Como eu conheço bem essa água, são gotas...
Gotas das minhas lágrimas que caiem.
Caiem do meu rosto no silencio, no silencio da noite! ??

Isabel Morais Ribeiro Fonseca




sexta-feira, 6 de junho de 2014

"AMOR VERDADEIRO"

 "AMOR VERDADEIRO"

Quero um amor.
Um amor verdadeiro.
Que toque na minha alma.
Que entre pelos meus olhos.
Invada todos os meus sonhos.
Quero meu amor que possuas
O meu coração por inteiro
O meu corpo, a minha alma
Quero sentir os teus braços fortes, longos
Envolvendo o meu abraço.
Os teus lábios mudos.
Calando o meu silêncio.
Fazendo dos meus desejos.
Breves os segundos de êxtase.
Quero um amor.
Um amor verdadeiro.
Invada todos os meus sonhos
Possuindo o meu coração por inteiro
O meu corpo, a minha alma, em direção ao paraíso.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quarta-feira, 4 de junho de 2014

"DOCE AMOR"

 "DOCE AMOR"

Hoje soprou um vento, doce com imensa ternura
Os pássaros cantavam melodias doces
Da primavera florida e bela, que é a vida
Olhaste para os meus olhos famintos de amor
Passaste as mãos pelo meu cabelo, pelo meu corpo
Saímos felizes e livres em direção
A uma cabana à beira do rio, era velha, mas aconchegada
Passámos por uma árvore cheia de frutos, faminto que estavas
Onde as nossas bocas se uniram num beijo molhado
Colheste-me como um fruto de uma árvore
Estavas sedento de paixão
Estavas cheio de sede, bebeste-me como água,
Marcaste os teus dentes na minha carne e eu gostei
O meu corpo era como caminho sinuoso sem volta
Tomaste-me nos teus braços fortes
Agarraste-te à minha cintura, encostaste o teu peito ao meu,
Sentistes o meu coração inquieto, mexeste nos meus
Cabelos e perdi-me de gemidos, ardentes
As nossas bocas uniram-se e tudo está consumado.
Deste amor que alimenta esta paixão de mais de 28 anos de vida em comum
Fazer amor contigo é das coisa mais belas que Deus nos proporcionou
Gosto da tua maneira dominadora, que sabe amar e entregar-se a uma mulher
Sendo eu a felizarda por ter um homem que.. me ama com loucura e paixão.!

Maria Isabel Morais Ribeiro Fonseca

segunda-feira, 2 de junho de 2014

"ESTAÇÕES DO ANO"

 "ESTAÇÕES DO ANO"

Quando chegar o outono, primavera ou verão
Se eu morrer antes de ti, faz-me um favor
Chora o que quiseres e não te zangues com Deus
Se não conseguires chorar, não chores
Não te preocupes, ri-te, canta e ama
Porque quando chegar o outono
A primavera, o verão, ou talvez o inverno
E eu já estiver morta
As folhas caíram da mesma maneira.
E as árvores ficaram mais nuas que o outono passado
A realidade é mágica e não precisas de mim
Sinto-me alegre a pensar que a minha morte
Não tem importância nenhuma..
Talvez ninguém sinta a minha falta, além de ti
Sei que sentirás saudades loucas
Se eu soubesse que morria amanhã
Morreria contente, com a chegada das novas estações
Se eu morrer antes de ti, não culpes Deus
Se morrer agora, morro contente na mesma
Podem falar mal ou bem, elogiarem ou criticarem
Podem cantar e rezar, sobre o meu caixão
Eu afinal já estarei morta
Façam o que quiserem, se quiserem.
Se eu morrer antes de ti, faz-me um favor
Não deixes morrer o teu coração, não deixes secar
Rega-o ele é como uma flor que precisa de água.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca