quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

FUJO DE MIM

FUJO DE MIM

Fujo de mim para esquecer
A dor que me persegue
Fumo o ultimo cigarro
Talvez seja mesmo o ultimo
Fujo do amor
Fujo da dor
Fujo de mim
Fujo de ti
O cigarro já vai a meio
Fujo da vida cada vez mais incerta
Apago-se o cigarro
E eu sinto-me talvez morta.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

EMBORA


EMBORA

......Ó saudade
Que foste embora de mim
.......Deixaste secar
O meu coração
Fugiste do meu amor
Do que eu sentia por ti
Paixão levou o vento
Que havia em mim
.......Sobrou tempo
Tempo de ti em mim.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca



quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

CALMAS

CALMAS

Águas turvas
.......Tantas
Vezes calmas
.......Gotas saciadas
No silêncio
........Caladas
Refresca a alma
.......O corpo, o coração.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

domingo, 12 de janeiro de 2014

FEREM

FEREM

Entre as fragas
.......Ecoam sons
Palavras vazias
 ......De silencio
Punhais que despedaçam
......Ferem, enfeitiçam
Reduzem a nada o corpo a alma.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

SALGADO DOCE

 SALGADO DOCE

Cala-me com a tua boca
Com o teu beijo salgado e doce
Deixa-me apenas respirar
Para que sussurre ao teu ouvido
O meu grito silencioso murmurante.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

"OMBROS NOS ESCOMBROS"

"OMBROS NOS ESCOMBROS"

Escombros que tirei dos ombros
Onde dificultavam-me
O caminho, de fragas, pedras
Soltas, caídas
Espalhadas pelos trilhos da vida
Palavras duras, frias, sentidas
Sentidas na pele
Dor como uma chaga
Olhar transparente emoções gravadas
Marcadas, perdidas, esquecidas
Infinito céu na ausência do véu
Coberto das memórias do sonho
Encantamento sentido, tempo nu
Murmura o vento com palavras
Desfeitas de dor da quimera
Silêncio traz uma lágrima encantada
Dia iluminado sem almas em tormento.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca


sábado, 4 de janeiro de 2014

"CORAÇÃO"

"CORAÇÃO"

Hoje à noite vou deitar a minha cabeça
No teu ombro, no teu colo
Sentir o teu coração
Para curar as dores do corpo, da alma
Afagar todo o meu sofrimento
A tristeza deita-se comigo nesta noite fria
Tempo de um sonho tesouros de saudade
Recordações rasgadas, amansadas.
Jogadas no chão como uma raiz morta.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca


sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

"SEGREDOS EM VERSOS"

"SEGREDOS EM VERSOS"

Na solidão
Dos meus prantos
Escrevo versos
Orações, poemas
Desabafos com sentimento,
Com alma de quem ama ou amou.
Mansos e bravos entre rios e mares
O poeta escreve histórias muitas vezes
Dele próprio, com dor
Saudade e paixão
Segredos que só ele sabe e conta
Em poemas escritos
Vividos de solidão
De amor, de perda
Escritos na escuridão
E mesmo assim sente os lírios
As campainhas, as violetas, as rosas
As orquídeas que germinam na terra fértil
E no areal sedoso
Fértil de esperança, de saudade, de amor
Onde as ondas do mar rebentam nas rochas.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

"QUIMERAS"

"QUIMERAS"

Quimeras que planto
Na minha janela
Daquelas que guardo
No canto do sonho
Caminho desbravado
Rastros pelos confins
De cada palavra
Solta que trago
Casas vazias
Deixando atrás histórias
Poeira, memória
Retratos perdidos no chão
Gavetas sem asas
Espelho com rugas
Onde perdemos o apreço
 E o tempo
Traz-nos velozmente
A morte do avesso.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca