quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

"QUIMERAS"

"QUIMERAS"

Quimeras que planto
Na minha janela
Daquelas que guardo
No canto do sonho
Caminho desbravado
Rastros pelos confins
De cada palavra
Solta que trago
Casas vazias
Deixando atrás histórias
Poeira, memória
Retratos perdidos no chão
Gavetas sem asas
Espelho com rugas
Onde perdemos o apreço
 E o tempo
Traz-nos velozmente
A morte do avesso.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca